Monthly Archives

maio 2019

Síndrome Cornelia de Lange atraso do desenvolvimento baixa estatura sinofre monocelhas deficiência intelectual alteração de membros microcefalia

Síndrome Cornelia de Lange: conheça esta síndrome

By | Doenças Raras | No Comments

A síndrome de Cornelia de Lange é uma condição geneticamente determinada que afeta diversas partes do corpo. Assim como muitas síndromes, apresenta uma alta variabilidade, sendo que pessoas com o mesmo diagnóstico apresentam-se com diferentes características.

Espera-se que pessoas com síndrome Cornelia de Lange apresentam-se com crescimento lento, e podem apresentar baixa estatura. Além disso, apresentam-se com atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e posteriormente deficiência intelectual. Existem crianças com síndrome Cornelia de Lange que apresentam com alteração de comportamento e até mesmo transtorno do espectro autista.

As características faciais de pessoas com síndrome de Cornelia de Lange são muito típicas, com sobrancelhas arqueadas, juntas (monocelhas ou sinofre), cílios longos, orelhas baixas, dentes pequenos e espaçados, nariz pequeno. Existem pessoas que apresentam ainda alterações esqueléticas, com anormalidade nos ossos do braço, antebraço, mãos e dedos.

As pessoas com síndrome de Cornelia de Lange poder apresentar sinais e sintomas adicionais: pelos corporais excessivos (hipertricose), microcefalia, perda auditiva e alterações de trato gastrointestinal. Menos frequentemente, podem apresentar fenda lábiopalatina, convulsões, defeito cardíaco e alterações oftalmológicas.

Créditos da foto: Health Prep

Teste genético; testes genéticos; triagem neonatal; teste genético para portadores; teste pré-natal; teste genético pré-implantacional; teste forense

Teste genético: quais são os tipos?

By | Genética Médica e Genômica | No Comments

Existem vários tipos de testes genéticos. Estes visam identificar e fornecer informações importantes a uma pessoa. Podem avaliar desde dosagens séricas (sanguíneas), avaliação dos cromossomos e até o genoma completo do indivíduo.

Os principais testes genéticos são:

Triagem neonatal ou teste do pezinho

A triagem neonatal ou teste do pezinho já foi muito explorada aqui no site (ver link). Ela é realizada logo nas primeiras 48 a 72 horas de vida do bebê. Testa rastrear doenças genéticas que possuem tratamento, e devem ser iniciados logo no início da vida. São doenças diagnosticada pelo exemplo: a deficiência de biotinidase, fibrose cística, anemia falciforme. Este é um exame obrigatório, tanto na saúde suplementar quanto no SUS.

Teste genético de diagnóstico específico

Os testes genéticos de diagnóstico são usado para identificar ou descartar uma condição genética ou cromossômica específica. Possui como principal indicação confirmar uma hipótese diagnóstica específica, como a teste de metilação para as síndromes de Prader-Willi e Angelman. Podem ser realizados em qualquer momento da vida, inclusive pré-natal. Os resultados deste tipo de teste genético podem influenciar o manejo bem como as tomadas de decisão quanto aos cuidados de saúde de um indivíduo.

Teste genético para portadores

O teste genético de portadores é utilizado para identificar pessoas que possuem uma mutação em heterozigose nas doenças autossômicas recessivas ou em mulheres nas doenças ligadas ao X recessivas. Avalia se a pessoa possui uma cópia de uma mutação genética que, quando presente em duas cópias, causa uma doença genético. O teste genético para portadores são indicados quanto há histórico familiar ou certos grupos étnicos. O melhor exemplo é o painel genético para casais de primos ou a pesquisa da síndrome do X-frágil em mulheres com filhos com esta síndrome. Se os pais forem testados, o teste genético poderá fornecer informações sobre o risco de um casal ter um filho com uma condição genética.

Teste pré-natal

O teste pré-natal é usado para detectar alterações nos genes ou cromossomos do feto antes do nascimento, ainda durante a gravidez. É solicitado este tipo de teste quando a gravidez se houver um risco aumentado de que o bebê tenha uma doença genética ou suspeita de cromossomopatia, como as trissomias. Em alguns casos, o teste pré-natal objetiva tranquilizar os futuros papais, ou auxiliar sobre tomada de decisões em uma gestação. É o exemplo do teste genético pré-natal não invasivo (NIPT), a amniocentese e a cordocentese. No entanto, como todo teste genético, possui algumas limitações e podem não identificar todas as doenças hereditárias.

Teste genético pré-implantacional (PGT)

O teste genético pré-implantacional (PGT), antigamente conhecido como diagnóstico genético pré-implantacional (PGD), é um teste genético que visa a seleção de embriões sem alterações, seja com uma doença genética específica de uma família ou alterações cromossômicas. Como o próprio nome diz, objetiva a garantir que um casal em tratamento de fertilização in vitro (FIV) não tenha um filho com uma condição genética, visto que só é transferido os embriões sem alterações. É o caso da análise de embriões na anemia falciforme e do rastreamento de cromossomopatias, como a síndrome de Down.

Teste genético preditivo e pré-sintomático

De todos os testes genéticos, os testes preditivos e pré-sintomáticos são os que mais envolvem questões bioéticas. São utilizados para detectar mutações previamente estabelecidas em uma família, de condições genéticas em indivíduos sãos, ou seja, sem doença nenhuma.  Os resultados podem fornecer informações sobre o risco de uma pessoa desenvolver uma doença e ajudar na tomada de decisões sobre cuidados médicos. Este tipo de teste pode ser útil nos casos de síndrome de câncer de mama e ovário hereditário, e outras síndromes de predisposição ao câncer. Entretanto, para doenças neurogenéticas, como a doença de Huntington e na ataxia de Machado-Joseph, realizar um teste preditivo não auxiliaria na história natural da doença.

Teste genético forense

O teste genético forense são testes genéticos “legais”, ou seja, para fins de identificação de um indivíduo para fins jurídicos, como os testes de paternidade e para elucidação de crimes. Ao contrário dos outros testes genéticos descritos neste texto, o teste forense não é um teste utilizado na prática clínica e não é utilizado para detectar mutações genéticas associadas à doença. A realização de testes forenses fora de uma ação judicial pode não ter nenhum efeito legal.

Frente a todos os testes descritos, é função do médico geneticista avaliar cada caso e verificar qual o melhor teste genético para cada caso e família, bem como realizar o aconselhamento genético pré e pós teste.

 

Síndrome de Patau: trissomia do cromossomo 13, translucência nucal aumentada, NIPT alterado, holoprosencefalia, cardiopatia, lábio leporino e fenda palatina

Síndrome de Patau: a trissomia do cromossomo 13

By | Doenças Raras | No Comments

A síndrome de Patau ou trissomia do cromossomo 13 é uma condição cromossômica associada a anormalidades em muitas partes do corpo. É uma das trissomias mais comuns, como a síndrome de Down (cromossomo 21) e a síndrome de Edwards (cromossomo 18).

As crianças com síndrome de Patau apresentam muitas características típicas, sendo que algumas podem ser observadas ainda no período pré-natal. No período pré-natal, é possível se suspeitar desta condição se o teste genético pré-natal não-invasivo (NIPT) e a translucência nucal estiverem alteradas. Também se observa alterações de sistema nervoso central, como holoprosencefalia.

A holoprosencefalia leva a outras características que podem ser observadas ao nascimento: incluindo olhos muito pequenos ou pouco desenvolvidos (microftalmia), e narina única (proboscide). Podem apresentar alteração em membros, incluindo a polidactilia ou presença de muitos dedos nas mãos e pés. Além disso, é frequente a presença de fenda labial (lábio leporino), com ou sem fenda palatina. Também é presença de tônus muscular diminuído, ou hipotonia.

Podem ainda apresentar cardiopatia complexa. É causa frequente de perda gestacional, além de óbito fetal e natimortos. Poucos casos sobrevivem, cerca de 5-10% dos casos, e estes apresentam atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e deficiência intelectual grave, dependentes de aparelhos e muitos com restrição ao leito.

O ideal é buscar sempre um médico geneticista, ainda no período pré-natal, que irá realizar o diagnóstico correto, bem como manejar o caso, solicitar os testes genéticos a serem realizados e, por fim, realizar o aconselhamento genético.

Anemia falciforme: hemoglobinopatia hereditária, anemia na infância, transfusão de sangue, triagem neonatal, análise de embrião, transplante de medula.

Anemia falciforme: hemoglobinopatia hereditária mais comum

By | Doenças Raras | No Comments

A anemia falciforme é uma das doenças do grupo das hemoglobinopatias. Estas condições afetam a hemoglobina. A hemoglobina é a molecular que está presente nos glóbulos vermelhos, ou hemácias. As pessoas com anemia falciforme apresentam a chamada hemoglobina S, estas podem alterar a estrutura da hemácia e torná-la em formato de foice.

Os sinais e sintomas da anemia falciforme geralmente começam na primeira infância, é uma das doenças detectadas no teste do pezinho. A principal característica desta condição é a anemia, ou seja, um número reduzido de glóbulos vermelhos. Além disso, apresenta-se com infecções de repetição e episódios de dor.

Apesar de a anemia falciforme ser causada por apenas uma mutação mais frequente, a gravidade da doença varia de pessoa para pessoa. Algumas pessoas têm sintomas leves, enquanto outras são frequentemente hospitalizadas por complicações mais graves.

O formato de foice das hemácias é o grande causador dos sinais e sintomas. Quando os glóbulos vermelhos apresentam-se em formato de foice, podem se decompor prematuramente, o que pode levar à anemia. A anemia pode causar ainda: falta de ar, fadiga e atraso no crescimento e desenvolvimento em crianças.

O excesso de hemoglobinas em formato de foice na anemia falciforme pode levar a icterícia, ou apresentando-se com pele e olhos amarelados. O principal sintoma da anemia falciforme são os episódios de dor, causados pelo congestionamento dos glóbulos vermelhos em formato de foice nos vasos sanguíneos finos.

Este engarrafamento de glóbulos vermelhos podem levar a privação de tecidos e órgãos de sangue rico em oxigênio. A falta de oxigênio  podem causar danos aos órgãos, especialmente nos pulmões, rins, baço e cérebro.

Hoje, o único tratamento curativo para anemia falciforme é o transplante de medula. Infelizmente é muito difícil encontrar doadores compatíveis. Já é possível a realização de análise embrionária com seleção de embriões compatíveis, vide artigo científico que auxiliei a escrever (texto em inglês; ver link).

O ideal, sempre frente a um caso com anemia falciforme, é a avaliação com médico geneticista para realização do aconselhamento genético, bem como definição do melhor manejo, estimativa de risco e poder oferecer possibilidades de tratamento curativo aos pacientes.

Ataxia de Machado-Joseph, ataxia espinocerebelar tipo 3 (SCA3): autossômica dominante, alteração de coordenação e equilíbrio; pode levar a cadeira de rodas

Ataxia espinocerebelar tipo 3: ataxia de Machado-Joseph

By | Doenças Raras | No Comments

Dentre as doenças neurogenéticas, existe um grupo de condições que são caracterizadas pelas ataxias. Entende-se ataxia como problemas de coordenação do equilíbrio. Dependendo do padrão de herança, há as condições autossômicas recessivas e as dominantes.

A ataxia hereditária mais comum é a ataxia espinocerebelar tipo 3 (SCA3) ou ataxia de Machado-Joseph. A ataxia de Machado-Joseph é uma condição caracterizada por problemas progressivos com o movimento. Nesta condição, inicialmente, apresentam-se com problemas de coordenação e equilíbrio (ataxia).

Também está descrito outros sinais e sintomas precoces na ataxia de Machado-Joseph. Isto incluem: dificuldades de fala, alteração na tensão muscular (distonia), rigidez muscular (espasticidade), tremores, olhos esbugalhados e visão dupla.

Pessoas com ataxia de Machado-Joseph podem experimentar distúrbios do sono, como síndrome das pernas inquietas; esta caracterizada por dormência ou formigamento nas pernas, acompanhada de uma vontade de mover as pernas para interromper as sensações.

Alterações do sono são frequentes em pessoas com ataxia de Machado-Joseph,  com distúrbio comportamental do sono REM (Rapid Eye Moviment), na qual os músculos estão ativos durante o estágio REM do sono. Os indivíduos afetados tendem a se sentir mais cansados ​​durante o dia.

Com o tempo, os indivíduos com ataxia de Machado-Joseph podem desenvolver perda de sensibilidade e fraqueza nos membros (neuropatia periférica), cãibras musculares, espasmos musculares (fasciculações) e dificuldades de deglutição.

Do ponto de vista de cognição, é possível que pessoas com ataxia de Machado-Joseph podem ter problemas com memória, planejamento e resolução de problemas.

Os sinais e sintomas da ataxia de Machado-Joseph geralmente iniciam na idade adulta, mas podem aparecer a qualquer momento, desde a infância até o final da idade adulta. Esta condição evolui a necessidade de cadeira de rodas e necessita de adaptação do ambiente que o indivíduo mora.

É causada pela expansão de tripletos CAG no gene da ataxina 3, ATXN3. Foi inicialmente descrita nas famílias de Machado e Joseph, descendentes da ilha de Açores (Portugal), nos Estados Unidos. Possui sua incidência alta em regiões com colonizadas por esta população, em especial o sudeste e sul do Brasil.

O ideal é sempre que suspeitar de condições semelhantes a ataxia de Machado Joseph, buscar um médico geneticista e um neurologista que em conjunto irá solicitar os exames complementares corretos, bem como realizar o diagnóstico e o posterior aconselhamento genético.